Mostramos que o Brasil diz NÃO ao petróleo e ao gás

 

Como podemos continuar a explorar, vender e queimar combustíveis fósseis, sabendo que eles são os maiores emissores dos gases que provocam o efeito estufa na atmosfera?

 

Saiba mais sobre as ações

Quando vemos blocos para exploração de petróleo e gás sendo leiloados, nossas terras sendo vendidas para empresas corruptas, e o nosso país dando passos para trás, é impossível não sentir uma ponta sequer de indignação e revolta. É, no mínimo, ter a certeza de que estamos indo contra o que nosso planeta pede e precisa. Secas extremas, tempestades, cheias, inundações e furacões são a prova disso.

Como podemos continuar a explorar, vender e queimar combustíveis fósseis, sabendo que eles são os maiores emissores dos gases que provocam o efeito estufa na atmosfera? Como iremos cumprir as metas previstas no Acordo de Paris – nem tão ambiciosas assim- de manutenção da temperatura global abaixo do limite de 1,5ºC e de redução das emissões brasileiras em 37%, até 2025, e em 43%, até 2030?

Além de trazer a corrupção e a falta de transparência, os leilões fósseis desconsideram a demanda global por um novo modelo de desenvolvimento econômico-energético.

A verdade é que leilões fósseis precisam acabar. Isso é uma demanda global! Para isso, nós levantamos nossas vozes para mostrar que queremos um futuro livre dos combustíveis fósseis. Não aceitamos e nem aceitaremos calados. Vamos continuar lutando por um futuro renovável, responsável e ético para o nosso país e para todos!

2ª E 3ª RODADAS DO PRÉ-SAL

(2017)

A 14ª Rodada de Licitações da ANP foi apenas um termômetro para avaliar o apetite das empresas, em preparação para a segunda e terceira rodadas de licitações de áreas do pré-sal, que serão realizadas no dia 27 de outubro de 2017.

O leilão vai acontecer no Rio de Janeiro, no Grand Hyatt Hotel. A 2ª Rodada vai oferecer quatro áreas, denominadas de Sul de Gato do Mato, Norte de Carcará e Entorno de Sapinhoá, na Bacia de Santos, além de sudoeste de Tartaruga Verde, na Bacia de Campos. Já a 3ª Rodada inclui as quatro áreas localizadas nas bacias de Campos e Santos, na região do polígono do pré-sal, relativas aos prospectos de Pau Brasil, Peroba, Alto de Cabo Frio-Oeste e Alto de Cabo Frio-Central.

Segundo o diretor-geral da ANP, Décio Oddone, haverá oferta pelas oito áreas e que a disputa será acirrada por cada uma delas. Foram habilitadas 10 empresas para participar da primeira rodada, e 14 para a segunda – entre elas a Petrobras e as globais Exxon, Shell e Total.

14ª RODADA

(2017)

No dia 27 de setembro de 2017 aconteceu no Rio de Janeiro a 14ª Rodada de Licitações de blocos para exploração convencional e não-convencional de petróleo e gás. Foram ofertados 287 blocos em várias regiões do país, em bacias sedimentares marítimas e terrestres, colocando em risco a biodiversidade e as populações em uma área total de mais de 120 mil km².

Das 36 empresas que foram aprovadas pela Agência Nacional do Petróleo e Gás (ANP) para participar do leilão, mais de 60% eram estrangeiras e pelo menos cinco delas estão envolvidas em casos de corrupção.

No dia 26, na Barra da Tijuca, colocamos na areia 150 cruzes negras, simbolizando as pessoas impactadas pelos projetos com combustíveis fósseis em todo o mundo. Além disso, levamos faixas gigantes com mensagens em defesa de um futuro sustentável, limpo, justo e renovável.

No dia do leilão, 180 ativistas de diversas partes do Brasil protestaram no Rio de Janeiro contra a 14ª Rodada de Licitações de blocos para exploração de petróleo e gás. Lideranças indígenas, pescadores, agricultores, representantes de movimentos sociais e religiosos: todos, unidos, mostramos que o Brasil quer um futuro movido a energia renovável, que não contribua para a crise climática global!

A sociedade civil foi impedida de entrar na sala reservada para o leilão, e as negociações aconteceram a portas fechadas. E, apesar da falta de transparência e truculência por parte da ANP, protestamos de forma pacífica contra a venda de blocos para exploração convencional e não convencional de petróleo e gás, no hotel onde o leilão aconteceu.

Ao todo, 17 empresas compraram áreas para exploração, sete delas eram estrangeiras. Apenas 13% dos blocos ofertados foram vendidos. Ainda assim, o governo lucrou mais do que o triplo do esperado. Oito dos dez blocos ofertados na bacia de Campos, a maior reserva de petróleo e gás do Brasil, foram vendidos para a ExxonMobil. Seis dos dez blocos arrematados pela empresa serão operados em consórcio com a estatal brasileira, a Petrobras.

Action Against Oil & Auction in Rio

Photo by: Juliana Colussi / 350Brasil

Mensagens de apoio

Pessoas de diversos lugares do Brasil e do mundo enviaram mensagens de apoio aos ativistas que protestaram contra o leilão da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP) no Rio de Janeiro. Juntos, mostramos que os combustíveis fósseis devem ficar no subsolo, e que queremos um futuro com 100% de energia livre, limpa e renovável. Junte-se a nós!

Veja quem mostrou seu apoio nas redes sociais, com as hashtags #LeilãoFóssilNão #ZeroFósseis #NãoFrackingBrasil


teste

teste

FacebookTwitter