Como organizar uma vigília

"Todos podemos colaborar, como instrumentos de Deus, no cuidado da criação, cada um a partir da sua cultura, experiência, iniciativas e capacidades" 
                                 
 - Papa Francisco, carta encíclica Laudato Si'

 

Uma vigília é um ato de fé e prece, onde pessoas, independente da religião, se unem para orar por uma causa, refletir sobre um problema e buscar soluções em conjunto.

Na luta por justiça climática, a carta encíclica Laudato Si’, publicada pelo Papa Francisco em 2015, é uma fonte de inspiração. Ela é direcionada a todos os seres humanos – cristãos e não cristãos – e propõe o cuidado com a nossa “Casa Comum”, com o nosso planeta. Ao mesmo tempo em que todos compartilhamos e usufruímos dos recursos que a natureza nos oferece, temos uma séria, urgente e profunda responsabilidade de preservar e respeitar todos os seres que conosco dividem este mundo.

As vigílias são uma manifestação bonita e poderosa, que geram um forte sentimento de espiritualidade e união. E podem ser uma maravilhosa ferramenta para criar consciência e pressionar por ações climáticas e de cuidado com o planeta Terra. Organizá-las é fácil, e aqui você encontrará várias dicas para ajudá-l@!

Primeiro passo: defina a equipe e divida as tarefas

Um evento de sucesso requer muita organização prévia. Para isso, é essencial que todas as pessoas envolvidas no planejamento e realização estejam engajadas e bem informadas sobre os detalhes e objetivos da ação. Antes de mais nada, você precisa:

 

  1. Escolher com cuidado a equipe que ajudará na organização e realização da vigília;
  2. Reunir-se com as pessoas que fazem parte da equipe para que todos entendam o objetivo da vigília;
  3. Dividir as atividades. É importante que todos se sintam incluídos e livres para escolher as tarefas com as quais se sentem mais à vontade.  

Segundo passo: decida o local e horário do evento

É importante decidir o local, a data e o horário do evento o mais cedo possível, para que as pessoas possam se planejar com antecedência para participar. Todos estes aspectos, no entanto, devem ser considerados com cuidado.

 

Local: o local onde a vigília será realizada é estratégico, escolha-o muito bem. Dê preferência  a um espaço público, conhecido e neutro. É importante que seja um local onde as pessoas se sintam bem acolhidas e que seja de fácil acesso, com local para estacionamento e próximo a um ponto de ônibus ou metrô, por exemplo.

Data: ao escolher a data para a vigília, é importante observar se não há outras atividades locais que causem conflitos. Se a sua atividade não fizer parte de nenhuma iniciativa global ou nacional, tente pensar em datas que poderiam ser significativas para a sua causa. Por exemplo, o Dia da Terra ou o aniversário do dia em que o Papa Francisco assinou a encíclica Laudato Si’.

Horário: no caso das dioceses e paróquias, uma boa oportunidade é realizar a vigília no sábado, após a missa, como continuidade da celebração. Assim, será possível contar com a participação das pessoas presentes na missa. Outros grupos não religiosos podem escolher o horário mais apropriado, conforme a ação que será realizada. Por exemplo, uma escola pode fazer o evento com os alunos durante o período de aula, como atividade extracurricular.

Público: você pode escolher com qual grupo irá realizar a vigília: diocese, paróquia, grupos de juventude, associações, escolas, fundações, faculdade, universidade, institutos, grupos de ambientalistas, etc. Também é possível propor a realização em parceria com um ou mais grupos locais.

Terceiro passo: assegure-se de ter todos os recursos necessários

Mobilizar pessoas e organizar um evento requer organizar a estrutura e produzir os materiais de apoio necessários à sua ação. E para isso, naturalmente, também é preciso fazer parcerias e levantar recursos.

Confira os recursos disponíveis:

  1. Verificar a disponibilidade de recursos da diocese, paróquia, grupo, escola, faculdade, universidade ou comunidade que está realizando a vigília;

Faça parcerias:

  1. Fazer parcerias com pessoas, grupos, empresas e setores que estejam de acordo com os princípios morais da sua ação e ofereça a oportunidade para que contribuam para um mundo melhor;
  2. Pedir a esses parceiros para que ajudem a divulgar e escolher o melhor local para a sua vigília.

Providencie equipamentos e materiais necessários:

Preparar e providenciar tudo com antecedência garantirá uma vigília tranquila e de sucesso. Lembre-se de verificar se você tem:

  • Som, microfones e/ou megafones (de acordo com a necessidade);
  • Telão e datashow com bom lúmen;
  • Faixas, cartazes, letreiros (luminosos, se for oportuno);
  • Velas para serem distribuídas (ou peça às pessoas que tragam de casa, com aparador para não se queimarem);
  • Palco ou carro de som, ou uma escadaria que tenha um cenário de acordo com o tema da  vigília.
  • Fotos e imagens em painéis dos impactados climáticos de sua comunidade ou de outras ao redor do mundo. Para mais ideias sobre como apresentar os impactos climáticos e as pessoas afetadas por eles, confira nosso Guia de Organização e estas Ideas para Ações.

Quarto passo: informe as autoridades

Para garantir a segurança das pessoas que participarão da sua vigília, é importante informar as autoridades locais relevantes, principalmente se seu evento reunir um grande número de pessoas. Certifique de entrar em contato com:

  • Corpo de Bombeiros;
  • Guarda municipal e de trânsito, caso seu evento seja realizado em um local onde há tráfego.

Quinto passo: divulgue

Todo esforço para planejar e organizar sua vigília não terá os resultados esperados se você não divulgar seu evento. Para isso, use todos os meios disponíveis: poste nas redes sociais, peça a amigos, familiares e parceiros para que divulguem e, é claro, avise a imprensa! Para chamar a atenção da mídia para sua ação, é essencial:

  1. Entrar em contato com veículos de imprensa locais e regionais, de preferência com antecedência;
  2. Enviar um press release explicando os objetivos e os detalhes da vigília (confira nosso Guia de Mídia);
  3. Avisar se alguma personalidade de destaque participará da vigília, como bispos, atores ou cantores, por exemplo;.
  4. Disponibilizar uma pessoa de referência, a quem os jornalistas possam contatar caso tenham dúvidas, precisem de ajuda ou queiram informações mais detalhadas.

Sexto passo: planeje sua vigília

No dia do evento, é preciso organizá-lo de modo que todos se sintam incluídos, participantes e acolhidos. Cada ação é única e sua estrutura é variável e flexível.

 

1. Momento de acolhida e boas vindas:

  • É importante que esse momento seja breve e que comunique claramente o objetivo da vigília e quem a está promovendo.Convide de forma eloquente e motivadora que os participantes se unam aos milhões de pessoas em todo mundo que pedem pelo cuidado com a Criação, pela Casa Comum e pelos Refugiado Climáticos.

2. Rito Inicial:

  • Se for um ambiente religioso, convide a autoridade religiosa máxima presente para dar início com uma saudação religiosa. Ex: sinal da cruz e o Senhor esteja convosco.

3. Mobilização e pedido de perdão:

  • Nesse momento, alguém motiva os participantes sobre a causa, fazendo uma introdução, uma reflexão e pedido de perdão. Nesse momento, pode ser interessante falar sobre a ação da qual a vigília faz parte e justiça climática, mudanças climáticas, desinvestimento, ou passar vídeos ou outros materiais disponíveis sobre o assunto.
  • Na sequência, o bispo, padre ou outra pessoa autorizada convida à todos para que peçam perdão pelo pecado que o homem vem causando à CASA COMUM, à CRIAÇÃO.     

a) Pessoas (se possível, indígenas, camponeses, agricultores, donas de casa, uma família de pais e filhos)  entram vestidas com capas pretas, acorrentadas, amordaçadas, carregando símbolos, cartazes que representem a destruição dos bens naturais através da exploração imoral da indústria dos combustíveis fósseis. É interessante fazer a conexão com o aquecimento global e as mudanças climáticas. Ao entrarem, elas podem gritar algo como: “Estão contaminando nossas águas!”, “nos fizeram escravos das indústrias de energias fósseis!”, e outras frases impactantes;

b)  Se houver refugiados que migraram por causa das catástrofes causadas pelas mudanças climáticas em seus países e que já faleceram, eles podem ser lembrados através de cartazes com fotos ou imagens projetadas no telão. Mas não esqueça: é fundamental informar e convidar a família e comunidade dessa pessoa para que participe da vigília. Também nesse caso, as pessoas ao entrarem com as imagens podem dizer algo como “mataram mais um irmão/irmã”;

  • No final desse momento, algumas pessoas da equipe ou convidados vão tirando as capas pretas, correntes, mordaças e juntando as mãos dessas pessoas em forma de união, enquanto isso o bispo ou padre reza:
  • Pela ganância do homem que degrada a Criação, Senhor tende piedade de nós!
  • Pela ambição do homem que destrói a Casa Comum, Cristo tende piedade de nós!
  • Pelas atitudes e crimes ambientais do homem que levam irmãos e irmãs à morte, Senhor tende piedade de nós!

4. Preces:

  • Alguém motiva as pessoas à acenderem suas velas para iluminar o mundo todo, para que a humanidade possa proteger a Criação, a Casa Comum. Pede-se que as pessoas e os governos, que têm o poder em suas mãos, possam congelar os investimentos em energias fósseis.
  • Entram 5 pessoas vestidas cada uma com a cor de um continente, carregando um grande globo terrestre. O globo é colocado em um local onde todos possam vê-lo e cada uma dessas pessoas colocando a mão no globo faz uma prece pelo continente que representa.
  • Pela Ásia…
  • Pela América...
  • Pela África…
  • Europa…
  • Oceânia... 

5. Questionamento e reflexão:

Alguém pergunta: como era o mundo que o Criador nos deu? Como ele está hoje? Para onde caminha? E qual a solução?

Para esse momento, você pode usar este vídeo como recurso.

6. Conclusão e encerramento:

  • Alguém da equipe convida as pessoas para que façam uma vigília e orações pela Casa Comum durante determinado período de tempo. Também convida os participantes a se registrarem para fazer uma oração em voz alta durante a vigília, caso queiram. Esse também é um ótimo momento para pedir para que os participantes assinem uma petição, se houver. 
  • O bispo, padre ou alguém da equipe faz os agradecimentos e encerra o momento com pedido de bênçãos.

Sétimo passo: encerramento e avaliação

Agradecimentos e encaminhamentos:

  • Faça os devidos agradecimentos formais, responda à imprensa e poste fotos e vídeos do seu evento nas redes sociais, para garantir uma boa repercussão da sua vigília.

 

Avaliação:

  • Chame a equipe para falar sobre os resultados da vigília. Avaliem sobre o que funcionou bem e o que não deu tão certo assim, discutam sobre como dar continuidade à luta por justiça climática, quais os próximos passos, e como incluir as pessoas que participaram da vigília.

Para ideias sobre como organizar este encontro, confira este guia.

FacebookTwitter